Tradutor

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

23° SARAU ELO DA CORRRENTE

Hoje nós encerramos as atividades desse ano e realizamos o ultimo sarau do ano, e não é atoa , mas o aprendizado de hoje vai ficar em nossas mentes de forma marcante. Sentimos a falta de muitos poetas e poetizas que não compareceram no sarau e mesmo assim começamos somente Raquel, Paulinho e eu, junto com Tiago, Diogo e duas senhoras que estavam pela primeria vez.
Se fossemos colocar pessoas rebolando ali o bar estaria cheio, mas como estavamos louvando poesia , arte, cultura e conhecimento por vezes nos sentimos só, mas isso não será obstaculo, pode acreditar, só caleja nossa caminhada. O mais importante não é o montante e sim o sentimento verdadeiro que é propagado.

Quando a Raquel foi recitar uma poesia dedicada a mulher negra , da Elizandra , e ofereceu as duas senhoras sentadas, uma delas se ofendeu e disse que ia embora, pois tem o "cabelo bom" e foi mesmo. Ficamos tristes, mesmo assim a Raquel recitou emocionada o poema e foi até o fim. Infelizmente muitas pessoas ainda sentem vergonha da nossa descendencia, mas ainda bem que muita gente forte que procura ir no contra ponto em relação a negatividade que relacionam a nossa raiz, pois se estivesse tudo resolvido não haveria motivo pra lutar.

Depois o Osmar chegou e cantou algumas cantigas de capoeira e trocou muita idéia com a gente sobre nossa vila, sobre a nossa negritude e problemas da quebrada, foi muito bom. Outra grata surpresa foi a Dona Araci, que sempre está presente para ouvir as poesias, mas hoje trouxe duas poesias com mensagens natalinas para ler e oferecer a todos nós, bem bacana!!!

Mesmo correndo contra maré com muita fé, recebemos muitas criticas e falta de comprometimento, pois o aplauso é uma faca de dois gumes, que valoriza , mas também massageia o ego e é preciso escolher bem o que se quer, senão nada faz sentido.

Seguimos...
Acertando, aprendendo, amando, errando, se indignando...
mas de pé ....caminhada forte sempre!!!

2008 é nóis de novo!!!

Michel da Silva
(triste, pensativo, mas firme na caminhada, pois faz parte do processo)
Segue as fotos:
Osmar

Dona Araci

Raquel


Paulinho


Michel

Um comentário:

rodrigo ciríaco disse...

salve guerreiro.
nem só de flores são os nossos caminhos. e tenha certeza: são os espinhos que nos dão força, nos deixam mais ligeiros.
muita garra por aí. acredite no sonho. ele é possível.
abraço

rodrigo