Tradutor

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

57° SARAU ELO DA CORRENTE (dia de celebrar)

Sim, dia de celebrar!

O Bar do santista, mais uma vez, ficou pequeno nessa noite, pois eram tantas poesias brotando em nossas vozes, tantas amigos comungando, tantos sorrisos e revoltas contidas que a mesmice, a preguiça, o atraso lado, a inveja, a desunião e mais um bando de chatos que vieram junto com essa trupe não conseguiram participar do sarau, felizmente não houve espaço. Em nome do sarau pedimos um minuto de silêncio, ou melhor duas horas e meia de silêncio, com doses de aplausos sem moderação e muita idéia forte, assim que foi!

Quem compareceu e conseguiu participar (para participar bastava trazer o coração aberto aos sentimentos) somou no melhor sarau que realizamos esse ano, sem dúvida nenhuma. A festa era especial, por conta do lançamento do livro "Duas geraçãoe sobrevivendo no gueto" de Soninha e Raquel, mais uma artimanha nossa, e se tornou mais especial ainda por um série de motivos. Pela vitória de realizar mais uma caminhada dessa trilha forte e resistente, pelos amigos, os locais e os primeiros navegantes desse mar, entre esses o parceiro Fuzzil, que nessa praia já almirante faz tempo. Satisfação em recebê-lo guerreiro! Pelo tambor da Brasa que também firmou, pela transmissão ao vivo da Rádio Urbanos pra comunidade, pelos abraços, pelo sorriso do pequeno Cauan, pela luta compartilhada, tamô junto!

Voltaremos ao bar do Santista somente dia 20, para realizar o sarau especial em comemoração ao dia da Consciência Negra, com o lançemnto da Antologia "Negrafias", mais uma festa que promete.

Antes estaremos amanhã na PUC e na USP e sábadão o tambor vem buscar, para mais uma edição do sarau Poesia na Brasa.

Agora vou tentar dormir pra mais um dia, mais dormir rápido depois de uma noite de sarau é dificil, os pensamentos querem conversar sem parar...

Nos vemos na caminhada!

Michel




Fuzzil (Um presente para o nosso sarau)

Concentração

Meu mano véio Bola


O pequeno-grande Cauãn



Tambor, Tambor...

Um comentário:

Diego disse...

Aê Michel!!!
mano, como eu faço pra conseguir uma poesia sua? é aquele sobre o nosso destino... sobre fazer tráfico de conhecimento/livros... que você recitou no último sarau aqui na brasilândia.
Tô pretendendo usá-la em uma aula de filosifia...
Abração mano!!!