Tradutor

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

NÃO SE ADMITE por Michel da Silva




Segundona. Sete e meia da manhã. Praça Ramos de Azevedo e um envelope com cinco currículos de baixo do braço. Tudo pra tentar sair da fila do desemprego. A fila de um prédio em frente da Galeria 24 de maio me pareceu convidativa. As vitrines me instigaram: “Quando ganhar meu primeiro pagamento vou comprar um tênis”. Mas primeiro um trampo. Então deixa pra lá o pensamento alheio.
Achei um jornal. Dei uma folheada pra não pesar na consciência e li o seguinte anúncio:
“CURSO PROFISSIONALIZANTE PARA OFFICE-BOY”.
Amassei e joguei no lixo. Me lembrei do tempo que eu trampava de office-boy, detalhe: sem fazer curso nenhum. Trombava outros manos nos bancos e fliperamas da vida. Era muita idéia, tiração de sarro, uns rolês. Nosso lema era:
“A gente ganha pouco, mas se diverte!”
Naquela época eu concordava.
No prédio o que mais tinha era agência, e o que menos tinha era emprego.
Primeira sala: Mais uma filinha básica. Chegou a minha vez, a moça do balcão me olhou e disse:
- Aqui não pega currículo! Só faz cadastro!
- Tá bom! Posso fazer?
- É um real pra fazer o cadastro... Você vai ser visto por diversas empre...
Antes dela terminar, dei às costas.
Segunda sala, no andar de cima: Sem fila. Resolvi entrar. Tirei um currículo do envelope e esperei. Um cara, quando me viu chegar, entrou numa sala fechada. A moça, que estava sentada, fingiu que não me viu. Chamei a atenção dela:
- Por favor...
Recebi na lata.
- Pra deixar currículo é cinqüenta centavos, moço!
Balancei a cabeça e fui embora.
Caramba! Eu já vi situação em que você paga pra trabalhar, mas pra procurar?
Fui embora. Na descida, vi dois manos comentando:
- Que sacanagem! Pagar pra arrumar emprego!
O outro foi além:
- Já ouvi falar que mesmo as agências que não cobram, só pegam currículo pra juntar uma cota boa e vender o papel, vai vendo!
Não agüentei, dei risada da conspiração.
Firmeza! Fui a outro prédio na Barão de Itapetininga. Segui a indicação da placa, sobre o corpo de um senhor na rua. O outdoor humano anunciava 50 vagas para operador de telemarketing, inicio imediato. Me olho brilhou e corri pro endereço.
Terceira sala: Mais fila. Na hora que fui atendido a menina do balcão olhou meu currículo e perguntou:
- Você tem experiência em carteira?
- Não, mas trabalhei pra uma cooperativa. Era de operador também.
- Olha moço, pras vagas correspondentes, só estamos aceitando currículo de quem tem experiência. – Eu olhava pra ela e seu rosto parecia se derreter no mesmo ritmo da voz.
Tentei manguear na rua de novo . Parei na banca de jornal para olhar as manchetes. Futebol meu time perdeu. Mega Sena acumulou. Greve do metrô. Corrupção na política. Caos nos aeroportos! Sem novidade. Queria mais que tudo explodisse! Pique Bin Landen!
Mirei uma agência na Sete de abril.
Quarta sala: Até que enfim a chama reascendeu. A moça do balcão mó atenciosa, leu meu currículo, disse que eu tinha perfil pra vaga. Nem precisei esperar muito. Já fui pra entrevista.
“Agora vai virar” – pensei.
Na salinha fui atendido por um outro cara.
- Bom dia, Paulo! – falou olhando pra minha ficha
- Bom dia
- Então, nos aprovamos seu currículo! Você foi selecionado pra fazer um treinamento de trinta dias e após o treinamento você inicia na empresa. Ok?
- Tudo bem!?
Ele continuou com um sorriso largo:
- No final desses trinta dias você vai receber um certificado de conclusão do curso. O único custo é o material didático, 150 reais. Mas a vantagem é que você já está com a sua vaga garantida e mesmo que você não fique na nossa empresa, você vai ter um diploma de operador de telemarketing. O curso inicia amanhã, posso confirmar seu nome?

12 comentários:

Kbça disse...

Parabens Michel !!!!! Muito bom mesmo !!!!

Robson Canto disse...

caramba as fita é bem essas mesmo!!

axé caboclo

leogarin disse...

muito bom michel!

Samanta - Poesia na Brasa disse...

Meu!! Que texto loco
É a 1ª vez que leio algo que representa a frustação da gente quando vai procurar trampo, dá raiva mesmo...
Valeu!!! Michel
Um beijinho pra Raquel

Taís disse...

Mano, vc descreveu muitos dos meus dias naquele centro...rs
Muito bom, gostei...
Bjo procês, inté!

Anônimo disse...

Quem de nóis nunca passou por umas dessas né irmão? agora os caras estã explorando até o nosso desespero, ganhando grana encima da nossa falta de grana, aí depois quando um de nóis mete uma arma na cara de um filho da puta desses, os putos ainda vão falar que a periferia é violenta, e isso não é violento?
Parabéns pelo texto meu velho, literatura das margens, sem vacilar no mundo dos sonhos.
Axé.

Vagner Souza

leogarin disse...

humm, e parabéns pela guria !! heheheheh

Kbça disse...

Pode crer mano !!!! Parabens ai pros seis pela menina q ta vindo !!!!! Mais um elinho na nossa corrente !!!! Da hora....hehehehe

Waker disse...

Ai Michel...sem palavras para as suas palavras.
Um forte abraço do japoneis pra mamãe e pro papai ai.

leogarin disse...

Michel, o q vc acha de copiar esse texto lá no nosso blog ??
Se quiser faço por vc.
Curti pra caralho.
Abração mano.
inté

dulixo disse...

E assim se segue....parabéns Michel...quando estiver em SP vou colá em Pirituba....abraço

Tubarão

BNHQ disse...

Michel, pirei no seu texto, posso fazer uma adpatação em HQ? Aguardo seu retorno.

Abs,
Glauko